terça-feira, maio 21

TSE retoma julgamento que pode levar à inelegibilidade de Bolsonaro

 

É a terceira sessão destinada ao julgamento da causa

 

Foto: Valter Campanato


O
Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retoma hoje (29) o julgamento que
pode levar à inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro por oito
anos. A sessão está prevista para começar às 9h.

Será a terceira sessão destinada ao
julgamento da causa. O tribunal julga a conduta de Bolsonaro durante
reunião realizada com embaixadores, em julho do ano passado, no Palácio
da Alvorada, para atacar o sistema eletrônico de votação. A legalidade
do encontro foi questionada pelo PDT.

Até o momento, somente o relator da ação,
ministro Benedito Gonçalves proferiu seu voto. Na sessão realizada na
terça-feira (27), o ministro votou pela condenação de Bolsonaro à
inelegibilidade, por entender que o ex-presidente cometeu abuso de poder
político e uso indevido dos meios de comunicação para difundir
informações falsas e desacreditar o sistema de votação.

O relator também votou pela absolvição de
Braga Netto, candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro nas
eleições de 2022. Para o ministro, ele não participou da reunião e não
tem relação com os fatos.

O julgamento será retomado com a
manifestação dos ministros Raul Araújo, Floriano de Azevedo Marques,
André Ramos Tavares, Cármen Lúcia, Nunes Marques e o presidente do
Tribunal, Alexandre de Moraes.

Caso algum ministro faça pedido de vista
para suspender a sessão, o prazo de devolução do processo para
julgamento é de 30 dias, renovável por mais 30. Com o recesso de julho
nos tribunais superiores, o prazo subirá para 90 dias.

Defesa

Na última quinta-feira (22),  primeiro dia
de julgamento, a defesa de Bolsonaro alegou que a reunião não teve viés
eleitoral e foi feita como “contraponto institucional” para sugerir
mudanças no sistema eleitoral.

De acordo com o advogado Tarcísio Vieira de
Carvalho, a reunião ocorreu antes do período eleitoral, em 18 de julho,
quando Bolsonaro não era candidato oficial às eleições de 2022. Dessa
forma, segundo o defensor, caberia apenas multa como punição, e não a
decretação da inelegibilidade.

2030

Pela legislação eleitoral, se Bolsonaro se tornar inelegível por oito anos, só poderá voltar a disputar as eleições em 2030.

De acordo com a Súmula 69 do TSE, a contagem
do prazo começa na data do primeiro turno das eleições de 2022,
realizado em 2 de outubro.

A inelegibilidade terminará no dia 2 de outubro de 2030, quatro dias antes do primeiro turno, previsto para 6 de outubro.

Recurso

Após eventual decisão desfavorável, a defesa
de Bolsonaro poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Três
dos sete ministros do TSE também fazem parte do STF e participam do
julgamento.

Pelas regras internas da Corte, os ministros
que atuam no tribunal eleitoral não ficam impedidos automaticamente de
julgar questões constitucionais em processos oriundos do TSE.

Ag Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *