terça-feira, maio 21

Presidente defende investimento em ferrovias

 

Modal pode tornar indústria siderúrgica nacional mais competitiva

Foto: Divulgação Ministério da Infraestrutura

O
presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta segunda-feira (3),
que o Brasil precisa de mais investimentos no modal ferroviário e que a
indústria siderúrgica nacional pode ser mais competitiva. Para isso,
segundo ele, o governo precisa oferecer estabilidade política, econômica
e social aos empresários. 

“Esse país precisa definitivamente cumprir
com esses compromissos: estabilidade, credibilidade e previsibilidade.
Nós temos que colocar no papel e cumprir aquilo que nós colocamos no
papel para que ninguém seja pego de surpresa”, disse Lula, durante
cerimônia de início das obras no Lote 1F da Ferrovia de Integração
Oeste-Leste (Fiol), em Ilhéus, litoral da Bahia.

“Eu queria dizer aos empresários que estão
nesta empreitada para construir a ferrovia que não é interesse de um
empresário ou de outro empresário, é interesse da soberania nacional
fazer essa ferrovia e outras ferrovias no país para que a gente possa
ter esse país competitivo com qualquer outro país do mundo”,
acrescentou.

Ainda para o presidente, o desenvolvimento
do país e a melhoria da qualidade de vida da sociedade passam pela
formação e qualificação profissional da população. Lula lembrou que,
apesar do projeto de malha ferroviária do Brasil ser antigo, o país
deixou de formar engenheiros ferroviários e de investir na indústria
desse modal.

“Esse país não produz mais trilhos, aliás,
esse país não produzia mais dormente. Eu lembro que nós criamos a maior
fábrica de dormente do mundo quando começamos a fazer a Transnordestina.
E ela hoje parou. A CSN [Companhia Siderúrgica Nacional] há 40 anos
atrás produzia trilhos, hoje não produz mais”, disse Lula.

“Então, é uma vergonha um país do tamanho do
Brasil, que quer ter uma malha ferroviária para facilitar o transporte
da sua riqueza, ter que importar trilho de outro país, com a quantidade
de minério de ferro que nós temos e a quantidade de siderúrgicas que nós
temos. Isso é um desafio para nós, o Brasil está importando trilhos
quando poderia produzir aqui, para gerar mais emprego no país e
oportunidade de crescimento da cidadania do nosso povo”, argumentou o
presidente.

Integração ferroviária

A Fiol é composta por três trechos, sendo
que o primeiro – Fiol 1 – liga as cidades baianas de Ilhéus e Caetité,
com 537 quilômetros de extensão, e passa por 19 municípios. A previsão
de início da operação desse trecho é a partir de 2027, mas Lula pediu
que seja feita “horas extra” para que a obra seja entregue antes do fim
de seu mandato, em 2026.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou
que o projeto da Fiol será incluído no novo programa de infraestrutura
do governo, que deve ser lançado ainda neste mês.

De acordo com o governo, a integração
ferroviária consolidará um corredor de escoamento para o mercado externo
de minério de ferro da região sul do estado e de grãos da região oeste.
Quando estiver em plena operação, a estimativa que é o uso do modal
promova redução de 86% na emissão de gases do efeito estufa na
atmosfera.

As obras do Lote 1F da Fiol estão sob
responsabilidade da Bahia Mineração (Bamin), que arrematou a concessão
do trecho em leilão realizado em abril de 2021.

Com 127 quilômetros de extensão, o Lote 1F é
um dos cinco lotes de construção da Fiol 1 e passa por Ilhéus, Uruçuca,
Ubaitaba, Gongogi, Itagibá, Aurelino Leal e Aiquara. Dos quatro lotes
restantes, dois já estão concluídos.

As obras do trecho receberão R$ 1,5 bilhão
em investimentos da Bahia Ferrovias (Bafer), subconcessão da Bamin, e
serão executadas pelo Consórcio TCR-10, formado pela empresa brasileira
Tiisa e pela chinesa CREC-10. 

No total, a Fiol terá 1.527 quilômetros de
extensão. A ferrovia ligará o futuro porto de Ilhéus ao município de
Figueirópolis, no Tocantins, ponto em que se conectará com a Norte-Sul.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres
trabalha para a concessão dos outros dois trechos: a Fiol 2, entre
Caetité e Barreiras, na Bahia, com obras em andamento, e a Fiol 3, de
Barreiras a Figueirópolis, que ainda aguarda licença de instalação. 

Ag Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *