segunda-feira, maio 27

Mortes decorrente de enfarte em mulheres jovens cresce 62% no Brasil

 Dificuldades no diagnóstico e no tratamento dificultam ainda mais os cuidados 

Foto: Reprodução/Freepik
No Brasil, número de mulheres na faixa etária entre 15 e 49 anos que morrem por infarto cresceu 62% de 1990 para 2019. Dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) ainda apontam que entre as mulheres de 50 a 69 anos o número teve um aumento alarmante de 176%, praticamente três vezes mais. 

O público feminino historicamente é menos afetado por enfarte do que os homens, porém o crescimento atual se assemelha ao masculino. A principal causa está relacionada com mudanças no estilo de vida, que ocasionam estresse, sedentarismo e outros fatores agravantes. 

Para Gláucia Maria Moraes de Oliveira, do Departamento de Cardiologia da Mulher da SBC, alertou para os problemas em diagnosticar ataques cardíacos em mulheres, que dificultam o diagnóstico. “Os cardiologistas sabem dessa diferença, mas os médicos que estão nas emergências geralmente não. Por isso, queremos conscientizá-los, além das próprias mulheres, sobre o diagnóstico”. 

Gláucia foi coordenadora de um documento que indica a necessidade de protocolos médicos específicos para prevenção, diagnóstico e tratamento de enfarte nas mulheres. Para Dennys Martins, cardiologista da Clínica da Cidade, para o diagnóstico de infarto devem ser feitos exames mais completos que o de sangue e o eletrocardiograma, como o ecocardiograma.  

Outra questão considerada é a forma de tratamento, pois menos de 50% das mulheres são submetidas a procedimento medicamentoso adequado. Segundo estuda da Academia Americana de Cardiologia, mulheres são mais propensas a necessitar de outra internação um ano após o acontecimento, além de sofrerem com mais complicações e risco de vida nesse período.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *