terça-feira, maio 28

Moradores do Conjunto Beira-Mar relatam aflição entre mudanças e futuro incerto

Moradores iniciaram as mudanças na segunda-feira (10), após vistorias da Defesa Civil e a interdição dos prédios

Foto: Renato Ramos/JC Imagem

Um caminhão enviado pela Prefeitura de Paulista parou em frente à entrada do Bloco D-10 do Conjunto Habitacional Beira-Mar, no município de Paulista, na manhã da segunda-feira (10). Três dias após o desabamento de um prédio, o veículo retirava móveis e objetos que preenchiam o apartamento de Neide da Cruz há nove anos.
A moradora, de 72 anos, ajudava o motorista do veículo a reconhecer os seus pertences, que estavam misturados com os brinquedos das duas netas, de cinco e dez anos. Em meio à mudança, Neide relembrava o momento em que viu o prédio, localizado ao lado esquerdo do seu bloco, desabar.
“Eu vi da minha janela o momento em que o prédio caiu. Imaginei que poderia ser o meu. Ouvi a gritaria das pessoas e tudo isso me deixou muito nervosa, acordei minhas netas, tirei todo mundo de dentro de casa e fui acordar as pessoas do prédio”, lembra.
O sentimento de aflição ainda acompanha Neide. Com a queda do imóvel, o medo tomou conta da residente, que dormia com as netas horas antes. A aposentada não teve dúvidas. Saiu do imóvel com as crianças e foi em busca de abrigo na casa de uma sobrinha.
“Eram seis da manhã quando eu acordei e vi o prédio desabando. Até hoje eu estou abalada e muito nervosa. Já à noite eu nem dormi em casa mais, fui para a casa da minha sobrinha”, explica.
Nas horas seguintes à tragédia – que vitimou 14 pessoas e feriu outras sete -, Neide fala sobre a tristeza ao lembrar que parte das vítimas eram crianças, algumas delas com idade próxima à idade das netas.
“Desde sexta-feira que estamos nessa angústia. Foi muito triste porque eu tenho duas netas e ter visto crianças morrendo, da idade das minhas netas, é muito triste. Muitas vidas precisaram ser ceifadas para que tomassem providências”, confessa.
A saída do apartamento que comprou, há quase uma década, aflige a moradora devido à indefinição sobre as medidas que serão tomadas em relação aos proprietários. Neide espera um auxílio que possa ajudar a pagar, ao menos, um aluguel.
No domingo foi quando eles [Defesa Civil] interditaram o prédio. Eles disseram que o meu apartamento está muito úmido. Esse apartamento eu comprei, então eu preciso de uma definição, um auxílio financeiro. Eu não tenho onde morar. Estou deixando os móveis na casa da minha sobrinha, de forma temporária, até que eu arrume um novo lugar para morar”, afirma.

Moradores realizam cadastro e aguardam auxílio

Após a interdição de sete prédios do Conjunto Beira-Mar, um mutirão de cadastramento dos moradores passou a ser realizado em uma igreja próxima ao local do desabamento. A ação é da Prefeitura de Paulista.
Sônia da Silva, de 58 anos, chegou ao local indicado pela gestão municipal por volta das 9h. A cuidadora de idosos residia no bloco D-8 e conseguiu retirar a documentação e alguns móveis do local.
“Consegui retirar parte das coisas às pressas, mas ainda deixei geladeira e fogão. Meu apartamento tinha sido reformado recentemente, estava todo bonitinho. Na manhã da tragédia, que foi no bloco D-7, meu filho me ligou desesperado pedindo para eu sair urgente. Não queria nem que eu pegasse os meus documentos. Agora eu espero que sejam tomadas providências”, declara.
De acordo com a secretária de Políticas Sociais e Direitos Humanos, Kelly Tavares, a Prefeitura de Paulista iniciou o cadastramentos das pessoas que precisaram desocupar os imóveis após a interdição da Defesa Civil.
“O primeiro benefício que foi encaminhado, infelizmente, foi o benefício de auxílio funerário. Agora, começamos o cadastramento geral dessas famílias, para que a gente possa identificar cada caso. Tem caso de moradores, caso de pessoas que ocuparam o apartamento. Cada caso tem um perfil social diferente. Estamos concedendo o benefício eventual de auxílio moradia, doação de cestas básicas, mas serão casos analisados a partir do cadastramento”, garantiu.

Aumenta número de prédios residenciais interditados em Paulista

Aumentou para sete o número de prédios interditados em Paulista, que apresentam risco de desabamento. A ação aconteceu após uma nova vistoria realizada pela Defesa Civil do município. A informação divulgada pelo órgão na manhã desta segunda-feira (10).
“Vimos que essas edificações estão com um risco 3, que é crítico. Ou seja, não tem condições de permanecer no imóvel. Estamos desocupando, colocando as interdições e pedindo para que as pessoas saiam. Todas as edificações que forem de risco 3 serão desocupadas”, afirmou o engenheiro da Defesa Civil de Paulista, Ermerson Suame.
Após o desabamento de um prédio que fazia parte do Conjunto Habitacional Beira-Mar, na sexta-feira (7) – e culminou na morte de 14 pessoas -, a Defesa Civil havia interditado três edificações que faziam parte do habitacional. No sábado (8), outros três prédios foram desocupados e interditados.
“Essa foi uma edificação construída há 35 anos, sem manutenção. Tudo isso compromete a vida útil do prédio. A vistoria da Defesa Civil acontece de forma visual. Entramos em alguns apartamentos, vemos a questão da estrutura, alvenaria, como está a fissura, desgaste da fachada. Tudo isso contribui para que a estrutura venha a colapsar”, explicou Ermerson.

Jornal do Comercio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *