segunda-feira, junho 17

Geraldo Júlio é o vice-prefeito que João Campos sonha em sua chapa em 2024

Disputa pela vice-prefeitura do Recife esquenta, enquanto João Campos busca equilíbrio político e o PSB sonha com o retorno ao comando estadual.

Ex-prefeito Geraldo Júlio é o mais cotado para ser vice de João Campos em 2024. Foto: Andréa Rêgo Barros
Ex-prefeito Geraldo Júlio é o mais cotado para ser vice de João Campos em 2024. Foto: Andréa Rêgo Barros

No cenário político recifense, o atual prefeito João Campos, filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), já traça planos para sua reeleição em 2024. Com índices de popularidade em alta e aprovação de sua gestão, ele se depara com a delicada tarefa de escolher seu vice, elemento crucial para manter o controle da capital pernambucana.

O contexto político ganha ainda mais complexidade quando se considera o desejo do PSB de retomar o comando estadual. João Campos almeja seguir os passos de seu pai, Eduardo Campos, e de seu bisavô, Miguel Arraes, sonhando em ocupar o Palácio do Campo das Princesas como governador. Contudo, a equação para 2026 passa pelas eleições municipais de 2024, onde, ao entrar no projeto majoritário, ele enfrentaria a necessidade de renunciar à prefeitura.

Nesse tabuleiro político, o nome de Geraldo Júlio emerge como uma peça estratégica. Com a confiança da família Campos, do próprio João e do PSB, Geraldo Júlio se apresenta como uma opção capaz de garantir a continuidade do partido no controle da capital pernambucana. Atualmente a vice-prefeita é ocupada por Isabella de Roldão do PDT, mas movimentos recentes do seu partido em uma possível aliança com a governadora Raquel Lyra (PSDB) deverá levar ela para o campo das oposições no Recife.

A disputa pela vice-prefeitura ganha contornos de interesse do Partido dos Trabalhadores (PT). O movimento do PT em pleitear a vice-prefeitura visa engessar João Campos. Caso o prefeito escolha um vice de outra legenda, ele se verá diante do dilema: manter-se no cargo até o final do mandato e abrir mão da disputa estadual ou renunciar à prefeitura, deixando o controle nas mãos do PT. Essa situação deixaria o PSB sem o comando de uma das maiores capitais do Nordeste.

Diante dessa encruzilhada, João Campos e seu partido adotam uma postura cautelosa. Conscientes de que quem tem prazo não tem pressa, o prefeito, que navega em águas tranquilas, dispõe de todo o tempo necessário para articular a permanência do PT na coligação, sem, no entanto, ceder a vice-prefeitura. A possibilidade de vencer o pleito ainda no primeiro turno reforça a estratégia de manter o controle sobre a capital, mesmo diante das demandas estaduais.

A política, como um jogo estratégico, ganha contornos de suspense na capital pernambucana. O futuro da aliança entre João Campos e Geraldo Júlio pode ser determinante não apenas para as eleições municipais de 2024, mas também para os planos ambiciosos do PSB de recuperar o comando do estado. A trama política em Recife promete surpreender nos próximos capítulos, enquanto o prefeito traça cuidadosamente os passos para garantir sua permanência no cenário político e viabilizar seu salto para o palco estadual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *