segunda-feira, abril 15

Amiga de vítima em acidente no Mirabilandia afirma que brinquedo não foi travado pelo operador

Operador não ofereceu suporte para travar balanços que podem subir até 12 metros de altura, segundo Lorrayne Ferreira

Foto: Reprodução/ G1
Dávine Muniz Cordeiro, a mulher gravemente ferida no acidente ocorrido no parque de diversões Mirabilandia, em Olinda, segue internada no Hospital da Restauração, no Recife. Enquanto ela luta por sua recuperação, sua amiga, Lorrayne Ferreira, que estava com ela no momento do incidente, prestou um depoimento esclarecedor na segunda-feira (25) na Delegacia do Varadouro, em Olinda.
De acordo com Lorrayne, que também é professora de inglês, não houve qualquer sinal de deterioração no equipamento minutos antes do acidente. Ela afirmou que as duas foram as últimas a subir no brinquedo e que o operador não ofereceu suporte adequado para travar os balanços, que podem atingir até 12 metros de altura.
“Nós fomos as duas últimas pessoas a subir nesse brinquedo. O operador sequer veio travar o brinquedo. Quem travou fomos eu e ela [Dávine]. Eu ensinei para ela como travava. E ela travou o dela. Ele [o operador] olhou de longe. Ele sequer veio verificar, de perto, se tinha travado certo. Simplesmente, foi para a cabine e deu início [às voltas]”, declarou Lorrayne.
O Mirabilandia, por meio de uma nota oficial, respondeu às acusações, afirmando que “como padrão, a trava desse brinquedo bloqueia totalmente com o simples movimento de fechar”. Além disso, o parque destacou que o acidente não resultou no arremesso da usuária de forma livre, e ela não se desprendeu da cadeirinha.
O advogado Ernesto Cavalcanti, representante do parque Mirabilandia, anunciou que o engenheiro responsável pelo parque prestará depoimento nesta terça-feira (26) para fornecer esclarecimentos adicionais sobre o incidente.
O acidente no Mirabilandia levou à interdição temporária do parque de diversões, enquanto as investigações sobre o ocorrido estão em andamento. A condição de Dávine Muniz Cordeiro permanece crítica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *