segunda-feira, abril 15

Esposa de bombeiro morto com 32 facadas relata trauma e dificuldades de seguir em frente

Paula Ingrid Vieira Lima, esposa da vítima, compartilha sua experiência desde o terrível episódio que resultou na morte do marido, Yasser Youssef

Bombeiro
A esposa do oficial do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco (CBMPE), Yasser Youssef, que foi brutalmente assassinado com 32 facadas durante a invasão de sua casa em dezembro do ano passado falou sobre o ocorrido e como está sendo enfrentar esses últimos meses. 
Em entrevista à Folha de Pernambuco, Paula Ingrid, de 38 anos revelou que sua vida foi virada de cabeça para baixo em questão de minutos desde o trágico episódio. Ela não retornou à casa no bairro do Torreão, na Zona Norte do Recife, de onde fugiu com a criança enquanto seu marido lutava contra o invasor.
“A minha vida virou de cabeça para baixo em meia hora. Não tenho mais casa, moro com familiares, não cheguei nem a voltar na minha casa, que ficou uma cena de guerra. Meu marido levou 32 facadas. Eu e minha filha estávamos lá até conseguirmos sair. Tudo é muito difícil depois desse trauma”, relata Paula Ingrid.
As sequelas do incidente continuam a afetar a vida da mãe e da filha até hoje, uma vez que ambas enfrentam problemas de saúde mental, incluindo episódios de ansiedade. “Está sendo muito difícil, com psicólogos, psiquiatras, urgências e ansiedade”, desabafa.
O oficial do Corpo de Bombeiros, Yasser Youssef, tinha 41 anos quando um homem invadiu a residência onde vivia com sua esposa e filha no ano passado. As duas conseguiram escapar, mas Youssef lutou com o invasor e foi esfaqueado 32 vezes. Ele foi levado para o Hospital da Restauração, no Recife, mas não resistiu aos graves ferimentos e faleceu.
A família do oficial está se mobilizando para promover um ato na manhã da próxima segunda-feira (1º), quando ocorrerá a primeira audiência do caso no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, no Recife. Durante a sessão, será discutida a possibilidade de o acusado responder em liberdade e a chance de um julgamento popular.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *