sexta-feira, junho 21

Setor de serviços registra queda de 0,9% em fevereiro

Recuo no setor de serviços reflete descontinuação dos ganhos anteriores, afirma analista, com destaque para setores como informação, comunicação e transportes. Turismo também apresenta queda.

Setor de Serviços recua 0,9% após três meses de alta. Foto - Fernando Frazão
Setor de Serviços recua 0,9% após três meses de alta. Foto – Fernando Frazão

O setor de serviços no Brasil enfrentou um revés em fevereiro, com uma queda de 0,9%, conforme dados divulgados pelo IBGE. Essa queda, embora moderada, representa uma reversão em relação aos meses anteriores de crescimento constante 📉.

Luiz Almeida, analista da pesquisa, contextualiza esse declínio como uma descontinuação dos ganhos anteriores, especialmente visíveis nos segmentos de profissionais, administrativos e complementares. Essa desaceleração sugere um movimento de compensação após meses de alta 📉.

Os setores mais afetados foram informação e comunicação (-1,5%), transportes (-0,9%) e outros serviços (-1,0%). Apenas as atividades de serviços prestados às famílias apresentaram uma variação positiva, de 0,4%, indicando uma leve resiliência em meio ao cenário desafiador.

📲Siga nosso perfil no Instagram

Após três meses de crescimento, a queda em fevereiro representa um ajuste no ritmo de expansão. No entanto, o volume de serviços permanece 11,6% acima do nível pré-pandemia, sinalizando uma certa estabilidade em longo prazo. No acumulado do primeiro bimestre de 2024, o volume de serviços cresceu 3,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto fevereiro de 2024 registrou um aumento de 2,5% em relação a fevereiro de 2023. Nos últimos 12 meses, o crescimento ficou em 2,2%, demonstrando uma trajetória de recuperação gradual.

📲Siga o canal “Fala News” no WhatsApp

O setor de turismo também enfrentou desafios, com um índice de atividades turísticas que recuou 0,8% em fevereiro, comparado a janeiro. Esse foi o segundo desempenho negativo consecutivo, resultando em uma perda acumulada de 1,8%. Essa queda indica uma persistente fragilidade nesse setor tão vital para a economia nacional, sugerindo a necessidade de políticas específicas para estimular a recuperação 🛫.

Portanto, enquanto o setor de serviços enfrenta obstáculos pontuais, é crucial adotar medidas que estimulem a retomada do crescimento, promovendo a resiliência e a diversificação da economia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile