sexta-feira, fevereiro 23

Presidente Lula enfrenta pressão de Arthur Lira sobre ministro Padilha, ameaçando pautas no Congresso.

Lula busca reaproximação com Lira em meio a descontentamento. Embate afeta planos para 2024, ano eleitoral, e coloca em xeque articulação política.

O presidente Lula (PT) e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) - Gabriela Biló-18.dez.2023-Folhapress
O presidente Lula (PT) e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) – Gabriela Biló-18.dez.2023-Folhapress

O cenário político nacional ganha contornos desafiadores à medida que o presidente Lula (PT) se depara com a crescente pressão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), em relação ao ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT). Este, responsável pela articulação política do governo com o Congresso Nacional, vê-se no centro de um impasse que impacta diretamente nas pautas do Executivo.🔍

Arthur Lira elevou o tom e alertou aliados de Lula que a substituição de Padilha é condição sine qua non para o avanço da agenda governamental na Câmara. O ano de 2024, marcado pelas eleições, impõe um desafio adicional à articulação do Planalto, dada a percepção de menos tempo disponível para a votação de matérias cruciais.

A estratégia da equipe de Lula é enfrentar a tempestade inicial e, nas próximas semanas, buscar um encontro entre Lira e Padilha na tentativa de restabelecer o diálogo. A perspectiva atual é manter o ministro no cargo.🗳️

📲Siga o canal “Fala News” no WhatsApp

Apesar do clima tenso, membros do Palácio do Planalto não enxergam um rompimento total entre Lira e o ministro, destacando que a insatisfação se concentra em Padilha, não atingindo o governo como um todo. Governistas argumentam que Lira estaria disposto a dialogar com outros ministros petistas, incluindo Rui Costa (Casa Civil), Fernando Haddad (Fazenda) e o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), além do próprio presidente Lula.

Na quarta-feira (31), Rui Costa e interlocutores do presidente estiveram na residência oficial da presidência da Câmara, em Brasília, buscando amenizar as tensões. Contudo, Lira reforçou suas críticas à articulação política do governo e a temas sensíveis, como o veto presidencial a R$ 5,6 bilhões em emendas parlamentares em 2024, ano eleitoral.🏛️

📲Siga nosso perfil no Instagram

No Planalto, a informação chegou de que Lira planeja um encontro com Lula nos próximos dias. A expectativa é que o deputado busque garantir o apoio do governo para sua escolha na presidência da Câmara, eleição prevista para o próximo ano, e alinhar estratégias para a corrida eleitoral de 2026, onde Lira cogita pleitear a vaga de senador por Alagoas.

Porém, aliados de Lula alertam que Lira tem tensionado a relação com o governo, marcando ausência em eventos importantes, como o Democracia Inabalada e a posse de Ricardo Lewandowski no Ministério da Justiça. Essa postura, segundo membros do governo, poderia abrir espaço para Lula fortalecer laços com outros líderes do Congresso, como Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e Marcos Pereira (Republicanos-SP).

A base de Lira na Câmara ganhou força com a expansão das emendas, principalmente durante o governo Bolsonaro. No entanto, na gestão Lula, a distribuição das verbas passou a ser concentrada na pasta de Padilha, diminuindo a influência dos líderes da Câmara e do Senado nesse processo.

Lula, Arthur Lira e Alexandre Padilha durante encontro no Planalto - Adriano Machado - 11.jan.23 -Reuters
Lula, Arthur Lira e Alexandre Padilha durante encontro no Planalto – Adriano Machado – 11.jan.23 -Reuters

Auxiliares de Lula defendem a manutenção de Padilha no cargo, alegando que ele é fundamental para mediar com o Congresso um modelo de gestão das emendas desejado pelo presidente. Uma possível substituição de Padilha, nesse momento, poderia fortalecer Lira em detrimento do enfraquecimento do Executivo.

Lula, por sua vez, planeja, após o recesso legislativo, insistir em propostas que desagradam a cúpula parlamentar, como retomar o controle sobre as emendas, direcionando recursos para o Novo PAC. O governo avalia uma nova investida no Congresso, propondo que emendas de parlamentares sejam destinadas a obras do PAC, em troca de verbas extras.

Embora uma proposta semelhante tenha sido rejeitada no ano passado, ministros de Lula agora buscam negociar para que os R$ 5,6 bilhões vetados em emendas sejam redirecionados para o PAC, em projetos apadrinhados por legisladores. A ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), sinalizou a possibilidade de enviar um projeto ao Congresso para repor os cortes de emendas antes do Carnaval.

O embate entre Lula e Lira revela as complexidades da política brasileira, onde interesses, disputas e estratégias se entrelaçam em meio a um cenário de constantes transformações. O desfecho desse embate moldará não apenas o futuro da relação entre Executivo e Legislativo, mas também as perspectivas para as eleições e para o destino de importantes projetos governamentais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *